• Moisés Correia

Atlético Mineiro 1971

Campeão Brasileiro (Campeonato Nacional de Clubes)

"A imprensa, não de Belo Horizonte, mas de fora, os que não acreditavam no nosso futebol, nós reagimos e conseguimos chegar a esta situação. Hoje é o legítimo campeão brasileiro."

Telê Santana em entrevista após a final contra o Botafogo

Defesa:

1.Renato, 2.Humberto Monteiro, 3.Grapete, 4.Vantuir e 6.Oldair;

Meio-Campo:

5.Vanderlei, 8.Humberto Ramos e 10.Beto;

Ataque:

7.Ronaldo, 9.Dario e 11.Romeu

Técnico: Telê Santana

A primeira edição do Campeonato Brasileiro, denominado Campeonato Nacional de Clubes, foi decidida com um triangular final reunindo São Paulo, Botafogo e Atlético Mineiro. Entre as três equipes, a menos cotada para chegar na frente era a do Galo. O São Paulo, com o Canhotinha Gerson e o Botafogo, com o Furacão Jairzinho, pintavam como favoritos. Mas o alvinegro de Belo Horizonte acreditava nas maravilhas que o seu camisa 9 poderia produzir para surpreender seus fortes adversários.


O centroavante Dario, assim como Gerson e Jairzinho, fazia parte da Seleção Brasileira tricampeã do mundo no México em 1970, como reserva. Goleador oportunista e cheio de estilo no cabeceio, era o maior trunfo do time mineiro para desequilibrar nas finais. A raça era a característica mais marcante daquele esquadrão. O capitão Oldair e o zagueiro Vantuir eram destaques no setor defensivo.


Triangular Final O início do Triangular Final foi animador, a vitória contra o São Paulo por 1 x 0 aumentou a confiança da equipe mineira no título. O Tricolor Paulista por sua vez goleou o Botafogo por 4 x 1, resultado que possibilitou o Atlético ficar em primeiro apenas com um empate diante do alvinegro carioca, no Rio de Janeiro. No dia 19 de dezembro, após jogada de ponta do meia Humberto Ramos pela esquerda e cruzamento no segundo pau, Dario para no ar e testa firme, marcando seu 15º gol e se isolando na artilharia da competição.


Eram jogados 16 minutos do segundo tempo, e do banco o técnico Telê Santana já sorria em silêncio com a certeza da vitória. Resultado que se consolidou ao final da partida. "A imprensa, não de Belo Horizonte, mas de fora, os que não acreditavam no nosso futebol, nós reagimos e conseguimos chegar a esta situação. Hoje é o legítimo campeão brasileiro", declarou Telê, eufórico.


E foi assim, melhor que o esperado, com vitória e não com um simples empate, o que já seria suficiente, e com Dadá Maravilha brilhando que o Galo cantou mais alto entre gigantes do futebol brasileiro em um palco igualmente gigante como o do Maracanã. Em festa, Belo Horizonte continuava consolidando seu espaço nacionalmente, mais uma vez mostrando em campo a força do futebol dos grandes campeões.


Confira também: Cruzeiro 1966 Botões & Esquadrões é um incentivo à prática do Futebol de Botão e uma homenagem a equipes que marcaram época no futebol brasileiro e mundial.

© 2011-2020 Botões & Esquadrões em Wix.com